sábado, julho 22, 2006

Oportunidades de Negócios

Após este interregno motivado por questões académicas o Mau P'rá Phoda volta, e volta em força. Desta feita estreamos uma nova rúbrica. Nós sabemos como está o país, em crise económica e como cada vez é mais difícil arranjar emprego ou ter um negócio lucrativo. Motivado por esse conhecimento o Staff deitou mãos a obra e iniciou uma operação de investigação de grande escala para detectar falhas no mundo dos negócios.

Um dos sectores de mais carência é o sector da alimentação, apesar de estar a progredir a passos largos, é sempre um sector de elevada importância, afinal, todos temos de comer e o povo português adora faze-lo.
Existe por aí uma grande variedade de produtos alimentícios desde tradicionais a mais arrojados ou exóticos, há também toda uma gama de produtos pronto a comer, de luzes ou instantâneos (só juntar água ou só aquecer). Ainda no outro dia me deparei com um frango que inclusivamente já vinha temperado e era só levar ao forno. Foi aqui que me ocorreu a primeira grande falha neste sector... não há nenhum produto que facilite a vida de uma pessoa ao ponto de ser só lavar a louça (nem levar ao forno, nem comer, só mesmo lavar a louça).
Outra falha que notei tem a ver com uma coisa que quase toda a gente gosta de comer, ovos estrelados. O problema é que quando alguém quer um ovo estrelado é necessário estrela-lo préviamente. Ora tudo isso seria facilitado se se vendessem os ovos já estrelados numa saqueta que se metia no microondas pra aquecer (ou algo do genero) sendo que depois se abanava (tipo saquinho de açucar) e rasgava-se pra deixar o ovo escorregar para o prato.

Estas são apenas pequenas ideias para produtos que poderiam futuramente ser colocados nas prateleiras de todos os super, mini, mega, hiper... -mercados (e mercearias) pelo país fora, mas agora vem a ideia principal deste post.

Toda a gente sabe ou tomou consciência que cada vez mais os restaurantes temáticos ou com ambientes alternativos estão na moda, ela há restaurantes chineses, japoneses, russos, marroquinos, libaneses, dos mais variados países e culturas, tradicionais, macrobióticos, antibióticos, intimistas etc. mas ainda, até hoje, ninguém se tinha lembrado de fazer um restaurante com temática doméstica.
Um restaurante onde nos sentiamos verdadeiramente em casa, onde não parecia que tivessemos saído de casa, um local que replicasse verdadeiramente um ambiente doméstico normal onde tivessemos que por a mesa, discutir com o empregado, um restaurante sem menu onde comiamos o que nos pusessem a frente e não pudessemos resmungar muito. Nesse restaurante teriamos de levantar a mesa senão o empregado dava-nos cabo da cabeça, teriamos de lavar a loiça (quer tivessemos ou não dinheiro para pagar a conta).

Este restaurante daria um novo significado às expressões "ir comer fora" ou "vá pra fora cá dentro" visto que iria-se de facto jantar a um restaurante, mas era como se nunca se tivesse sequer saido de casa.

Esperem mais ideias e oportunidades de negócio para breve.

Runcolho

P.S.- Não tentem sequer por nenhuma destas ideias em prática pois, obviamente, o Staff patenteou e registou todas a ideias e marcas aqui apresentadas para que não incorram em plágios e roubos de negócios ou qualquer outro acto igualmente (inferiormente ou superiormente) ilegal.
Ninguém dá nada a niguém! (nós não somos excepção)

1 comentário:

1337 d00d disse...

ZOMG hiper mercearias!!

Embora concorde com todas as ideias aqui expostas, tenho uma sugestão a fazer a uma delas: em vez de termos de lavar a loiça depois de nao comermos nem levarmos ao forno, podiamos simplesmente TAMBÉM não lavar a loiça depois. Assim poupávamos uma data de trabalho.

Gostaria também de expôr certos pormenores em que a minha opinião diverge da do Staff: frange é melhor, faz melhor e sabe melhor quando escrito com um O e nao com um E; "visto que iria-se de facto jantar a um restaurante,", peço a vossa atenção para a correcção diminuida do vocábulo destacado.